Área Restrita

Últimas Notícias

Obrigações do Dia

  • 20/Março/2019
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte
  • Cofins/CSL/PIS-Pasep | Retenção na Fonte
  • COFINS/PIS-Pasep | Entidades financeiras
  • INSS | Previdência Social
  • EFD - Contribuintes do IPI | Pernambuco e Distrito Federal
  • Simples Nacional
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação – PMCMV
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação - RET
  • Previdência Social (INSS) | Parcelamento excepcional de débitos de Pessoas Jurídicas
  • Parcelamento especial da Contribuição Social do salário-educação
  • Previdência Social (INSS) | Parcelamento Especial de Débitos - PAES

Indicadores Econômicos

Moedas - 18/03/2019 17:00:20
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,790
  • 3,792
  • Paralelo
  • 3,770
  • 3,960
  • Turismo
  • 3,640
  • 3,940
  • Euro
  • 4,297
  • 4,300
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,787
  • 3,788
  • Libra
  • 5,023
  • 5,026
  • Ouro
  • 158,300
  •  
Mensal - 14/02/2019
  • Índices
  • Dez
  • Jan
  • Inpc/Ibge
  • 0,14
  • 0,36
  • Ipc/Fipe
  • 0,09
  • 0,58
  • Ipc/Fgv
  • 0,21
  • 0,57
  • Igp-m/Fgv
  • -0,49
  • 0,01
  • Igp-di/Fgv
  • -0,45
  • 0,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,56
  • -
  • TR
  • -
  • -

6 dicas para quem está endividado e deseja sair do vermelho

A conjuntura econômica desfavorável está afetando diretamente a população brasileira. Segundo levantamento do Serasa Experian, o Brasil possui, atualmente, 59 milhões de inadimplentes. Para não perder o controle da situação, a orientação é negociar as pendências, o quanto antes, e controlar os gastos. Satoshi Fukuura, CEO da Siscom, empresa especializada em recuperação de crédito, tem algumas dicas para auxiliar os endividados a superar a crise e manter o equilíbrio financeiro.

1. Organize suas contas
Para sair do vermelho e voltar a ter uma boa saúde financeira é preciso realizar um diagnóstico da situação e entender como o dinheiro está sendo utilizado. “Coloque no papel as contas fixas e os gastos variáveis. Somente desta forma é possível saber para onde está indo o salário e onde é possível cortar gastos. Também é importante calcular os débitos: para quem está devendo e desde quando existe o atraso. Com todas estas informações fica mais fácil iniciar uma negociação”, explica Fukuura.

2. Renegocie suas pendências 
Após esta análise, o inadimplente deve procurar o credor para realizar o acordo. “Muitas pessoas encontram-se endividadas neste momento. As instituições financeiras entendem isso e estão mais flexíveis nas negociações”, destaca. Neste cenário explicar a situação e encontrar uma maneira para quitar as dívidas de forma que caiba no orçamento é a melhor saída.

3. Utilize o dinheiro reserva
“Quem possui dinheiro guardado pode utilizar a quantia nas negociações. Quem negocia à vista tem mais chances de conseguir descontos, por exemplo. Lembre-se que para quem está endividado não é vantajoso ter dinheiro em aplicações, pois os juros dos investimentos são menores”, ressalta Fukuura. Portanto, quem tiver essa oportunidade deve dar prioridade para o pagamento das contas que possuem encargos mais altos.

4. Estabeleça metas
O executivo explica que com as contas em ordem e negociadas, o cuidado deve ser para não contrair novas dívidas. “Gaste apenas o programado e em hipótese nenhuma atrase suas contas ou use o cheque especial. É importante evitar o uso de cartões de crédito, já que estes podem lhe dar a falsa impressão de que é possível gastar mais do que o planejado. Opte por realizar compras à vista e tente sempre conseguir o máximo de desconto possível”.

5. Crie uma reserva de emergência 
Fukuura também ressalta que assim que as contas estiverem em dia é importante se organizar e poupar dinheiro. Neste momento, é fundamental ter metas financeiras e fazer o possível para realizá-las. “Nunca deixe de lado o planejamento, ele é essencial para saber a quantia que você pode gastar por mês. Já a reserva, serve para comprar bens com valor mais alto ou para situações de emergência”, finaliza.

6. Reveja gastos supérfluos 
Em tempos de estabilidade financeira, muitas pessoas aderiram custos adicionais em suas rotinas como, planos de celular, pacotes de internet, TV a cabo e programas de filmes pagos. Agora, é importantíssimo reavaliar esses gastos, que podem ser muito altos, quando somados. “Além de comprometer o orçamento familiar, essa fatia de serviços acaba nem sempre sendo realmente usufruída. Portanto, são perfeitamente dispensáveis neste momento”, acrescenta Fukuura.

Fonte: administradores.com.br

Site desenvolvido pela TBrWeb
(XHTML / CSS)
AFS Escritório Contábil Ltda
Rua Miguel Couto, 35 - Grupos 503 - Centro - Rio de Janeiro, RJ - CEP 20070 030
Fone: 21 2233 0354 | 21 2516 0792