Área Restrita

Últimas Notícias

Obrigações do Dia

  • 22/Julho/2019
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação – PMCMV.
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação - RET.
  • Simples Nacional.

Indicadores Econômicos

Moedas - 19/07/2019 13:19:24
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,739
  • 3,740
  • Paralelo
  • 3,710
  • 3,900
  • Turismo
  • 3,590
  • 3,890
  • Euro
  • 4,196
  • 4,200
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,809
  • 3,811
  • Libra
  • 4,673
  • 4,676
  • Ouro
  • 172,170
  •  
Mensal - 06/05/2019
  • Índices
  • Fev
  • Mar
  • Inpc/Ibge
  • 0,54
  • 0,77
  • Ipc/Fipe
  • 0,54
  • 0,51
  • Ipc/Fgv
  • 0,35
  • 0,65
  • Igp-m/Fgv
  • 0,88
  • 1,26
  • Igp-di/Fgv
  • 1,25
  • 1,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,47
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Rombo nas contas externas é o menor para setembro em 9 anos

O déficit em transações correntes somou US$ 465 milhões em setembro, informou o Banco Central nesta terça-feira (25). Trata-se do menor rombo para o mês desde 2007. Em setembro do ano passado, o déficit foi de US$ 3,05 bilhões.

A conta de transações correntes é formada pela balança comercial (comércio de produtos entre o Brasil e outros países), pelos serviços (adquiridos por brasileiros no exterior) e pelas rendas (remessas de juros, lucros e dividendos do Brasil para o exterior). Trata-se de um dos principais indicadores do setor externo brasileiro.

Já no acumulado dos nove primeiros meses deste ano, o rombo das contas externas somou US$ 13,58 bilhões, o que representa uma queda de 72,4% frente ao mesmo período do ano passado, quando o déficit totalizou US$ 49,21 bilhões.

De acordo com BC, é o menor rombo para os nove primeiros meses do ano desde 2007 (+US$ 2,75 bilhões).

A principal explicação para a melhora nas contas externas neste ano é a recessão na economia brasileira, que provocou a redução da importação de produtos e serviços. Além disso, o dólar ficou relativamente alto na maior parte de 2016, o que encareceu importados e barateou as exportações brasileiras - contribuindo para melhorar o saldo da balança comercial.

Para todo este ano, o Banco Central estima um déficit em transações correntes de US$ 18 bilhões, o que, se confirmado, será o menor resultado negativo para um ano fechado desde 2007, quando foi registrado um superávit de US$ 408 milhões.

Investimento direto

O Banco Central informou ainda que os investimentos diretos na economia brasileira somaram US$ 5,23 bilhões em setembro - com queda frente ao mesmo mês do ano passado (US$ 6,03 bilhões).

Nos nove primeiros meses deste ano, por sua vez, os investimentos estrangeiros totalizaram US$ 46,35 bilhões. Nesse caso, também houve recuo frente ao mesmo período de 2015, quando os investimentos diretos somaram US$ 48,21 bilhões.

Apesar da queda, os investimentos diretos foram suficientes para cobrir o rombo das contas externas brasileiras no período, que foi de US$ 13,58 bilhões.
 
MERCADO FINANCEIRO

Para 2016, o Banco Central estima o ingresso de US$ 70 bilhões em investimentos estrangeiros diretos na economia brasileira, valor menor que o registrado no ano passado (US$ 75 bilhões).

Entretanto, os investimentos continuariam suficientes para "financiar" em sua totalidade o déficit das contas externas do período – cuja estimativa do BC é de US$ 18 bilhões em 2016.

Componentes das contas externas

De janeiro a setembro deste ano, a balança comercial registrou um superávit de US$ 34,19 bilhões, contra um saldo positivo de US$ 8,93 bilhões nos nove primeiros meses de 2015, informou o Banco Central. A metodologia do BC é diferente da utilizada pelo Ministério do Desenvolvimento para o cálculo da balança.

Para todo este ano, o BC projeta um saldo positivo de US$ 49 bilhões para a balança comercial brasileira.

As contas de rendas (que inclui as remessas de lucros e dividendos) e de serviços, que também compõem as contas externas, tiveram evolução positiva. A conta de serviços abrange viagens de brasileiros ao exterior, seguros e aluguel de equipamentos, entre outros.

No caso das rendas primárias, o BC informou que houve um déficit de US$ 27,94 bilhões nos primeiros nove meses do ano, contra um resultado negativo de US$ 30,63 bilhões no mesmo período do ano passado. Para todo ano de 2016, a autoridade monetária estima um déficit de US$ 39,9 bilhões para as rendas primárias.

A conta de serviços, por sua vez, que engloba os gastos de brasileiros no exterior, registrou um déficit de US$ 21,94 bilhões de janeiro a setembro deste ano, contra um resultado negativo de US$ 29,28 bilhões no mesmo período de 2015. Para todo este ano, o BC projeta um déficit de US$ 29,9 bilhões nessa conta.

Fonte: g1.globo.com

Site desenvolvido pela TBrWeb
(XHTML / CSS)
AFS Escritório Contábil Ltda
Rua Miguel Couto, 35 - Grupos 503 - Centro - Rio de Janeiro, RJ - CEP 20070 030
Fone: 21 2233 0354 | 21 2516 0792