Área Restrita

Últimas Notícias

Obrigações do Dia

  • 17/Junho/2019
  • INSS | Previdência Social.

Indicadores Econômicos

Moedas - 14/06/2019 13:15:14
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,896
  • 3,897
  • Paralelo
  • 3,860
  • 4,050
  • Turismo
  • 3,740
  • 4,050
  • Euro
  • 4,370
  • 4,371
  • Iene
  • 0,036
  • 0,036
  • Franco
  • 3,902
  • 3,901
  • Libra
  • 4,912
  • 4,913
  • Ouro
  • 164,950
  •  
Mensal - 06/05/2019
  • Índices
  • Fev
  • Mar
  • Inpc/Ibge
  • 0,54
  • 0,77
  • Ipc/Fipe
  • 0,54
  • 0,51
  • Ipc/Fgv
  • 0,35
  • 0,65
  • Igp-m/Fgv
  • 0,88
  • 1,26
  • Igp-di/Fgv
  • 1,25
  • 1,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,47
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Google revela plano para acabar com a URL como conhecemos hoje

Desde que a internet comercial existe, ela passou por inúmeras mudanças, mas uma coisa continua igual: a URL, sigla em inglês para “localizador uniforme de recursos”, que serve como endereço de todos os sites que acessamos. Depois de tantos anos, o Google aproveitou o aniversário de 10 anos do Chrome para revelar que decidiu iniciar um combate às URLs como conhecemos hoje.

Em entrevista ao site Wired, Adrienne Porter Felt, engenheira do Google e gerente responsável pelo Chrome contou que existe um plano para que essas longas sequências de caracteres, muitas vezes incompreensíveis, que formam a URL sejam substituídas por algo mais inteligível para qualquer um, tornando a web mais segura.

“Queremos avançar para um lugar onde a identidade da web é compreensível para qualquer um; as pessoas sabem com quem estão falando quando estão usando um site e podem raciocinar se devem ou não confiar na página. É importante fazer algo, porque todo mundo está insatisfeito com as URLs. Elas são meio ruins”, conta Porter Felt.

A questão é que ninguém é muito claro sobre como vai funcionar esse sistema que poderia substituir a URL convencional. O que pode-se imaginar é que o Google queira fazer um trabalho de apresentar melhor os elementos que compõem uma URL para torná-los mais evidentes e a navegação mais segura, uma vez que endereços falsos são um dos métodos mais comuns de roubo de senhas. Em vez de dar um link para a pessoa acessar a Netflix.com, ela acessa a NetfIix.com (o “L” minúsculo foi trocado por um “i” maiúsculo), digita sua senha e pronto: seus dados foram roubados.

Agora a forma como o Google vai fazer isso, segue um mistério. É fato que a URL traz uma série de informações importantes: um site HTTP é menos seguro que um HTTPS, para começar. Na sequência, vemos o endereço propriamente dito da página, seguido das informações específicas para acessar uma parte específica dentro daquele endereço. A partir daí, existem inúmeras informações que podem ser acrescentadas até mesmo para monitorar a atividade online do usuário. Como a empresa vai fazer para que isso seja compreensível de uma forma mais simples? Precisamos esperar para ver.

Fonte: Olhar Digital | 06/09/2018

Site desenvolvido pela TBrWeb
(XHTML / CSS)
AFS Escritório Contábil Ltda
Rua Miguel Couto, 35 - Grupos 503 - Centro - Rio de Janeiro, RJ - CEP 20070 030
Fone: 21 2233 0354 | 21 2516 0792